Imaginemos que há uma grande obra para ser realizada! E temos que escolher as pessoas pra realizarem essa obra com afinco e esmero, é claro que iríamos escolher as pessoas mais qualificadas e não poderia ser diferente! Se quiséssemos ter êxito com certeza os melhores seriam arrolados para a obra em questão.
O que me chama a atenção é que hoje nas igrejas há aqueles que se acham supercrentes e tudo mais que o orgulho lhes diz que são, e,  por outro lado existem aqueles que se acham uma negação, um zero a esquerda e que se não se sentem aptos para a obra do Senhor.
Contudo, quando olhamos para Jesus e o evento da escolha dos doze discípulos parece até ocorrer à maior incoerência. Afinal, Ele estava recrutando para a maior e mais importante obra que o mundo já conheceu, salvo o sacrifício, sendo assim deveria ter-se em mente que Ele escolheria os melhores.
Pescadores rudes e indoutos, coletores de impostos que traíram seu próprio povo em troca de regalias junto ao império romano, terroristas fundamentalista e muito provavelmente alguns artesãos e comerciantes. Homens extremamente comuns, com vidas ordinárias e simplórias. O que será que Jesus enxergou neles, uma vez que eram pessoas que viviam a margem da sociedade.
Paulo nos ensina que: “Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios, e escolheu o que é fraqueza para envergonhar o que é forte. Ele escolheu o que para o mundo o que é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é…(I Co 1.27-28). Essa verdade que Paulo assevera, estava presente na escolha feita por Cristo. Se essa verdade retumbasse em nossos corações a realidade hoje seria bem diferente. Vemos na Bíblia que no momento de muitas escolhas que Deus fez, muitos dos escolhidos colocavam entraves à sua chamada. Foi assim com Moisés e Jeremias são exemplos clássicos desses entraves à chamada divina por se acharem insignificantes á incubêmcia que lhes era proposta.
Você crê em Jesus Cristo e na Sua Palavra? Então preste atenção no que Ele falou:
“Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço, e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.” João 14.12, esse verso ensina que Deus deseja usar a nossa vida para a Sua glória.
Você conhece a história de Dwight L. Moody? Ele era um homem com pouca instrução, rude e que não sabia escrever muito bem. Trabalhava em uma sapataria e um dia o Espírito Santo o convenceu do pecado, da justiça e do juízo, e dessa forma ingressava nas fileiras do exército do evangelho da graça de Cristo, uma alma plenamente devotada a Deus e a sua obra!
Algum tempo depois Moody ouviu dois irmãos conversando no balcão da sapataria. Eles diziam que “o mundo ainda não tinha visto o que Deus era capaz de fazer através de uma pessoa que se consagrasse totalmente a Ele.”
Moody então meditou no que os dois homens estavam conversando e depois de um tempo disse: “Pois eu serei esse homem!”.
E como foi!
Depois do apóstolo Paulo, Moody tem sido conhecido até hoje como o maior evangelista que o mundo conheceu.
Deus se utilizou de pescadores rudes, terroristas fundamentalistas, pessoas que para a sociedade não passavam de nada, de zero à esquerda. E com o passar do tempo Deus ainda contradiz a lógica humana, escolhendo um sapateiro como Moody e fazendo dele um dos gigantes da fé cristã e uma dos maiores evangelistas que o mundo conheceu.
Se Deus pôde usar a vida de um sapateiro, o que impede que ele faça uso de nossa vida para honra e glória do seu Nome? A única que me chega à mente é a nossa falta de fé! Entretanto se Ele nos escolhe, nos dará a fé necessária para realizarmos a obra para a qual ele nos chamou.
Lembre-se que você não foi chamado para ficar na platéia para ficar só sentado e aplaudindo os outros.
Ele nos escolheu para sermos pescadores de homens, sal da terra e luz do mundo!!
Então, não diga que você não é capaz de fazer a obra de Deus, pois Ele sabe disso, antes mesmo de você, mas, mesmo assim você foi escolhido para ir, dar frutos e que esse fruto deve permanecer!!
Assim sendo, a única coisa que podemos fazer é usar as palavras do profeta Isaías e dizer: “Eis-me aqui, envia-me!”
Que Deus nos abençoe e nos ajude a cumprir a sua obra!!!
Joel da Silva Pereira 

Fonte: http://espacoreformado.blogspot.com